-Johann Wolfgang von Goethe: O Divino e Elegia

sábado, 30 de agosto de 2014

Muito Obrigada.


O divino

Nobre Seja o homem,
Solicito e bom!
Pois isso apenas
O distingue
De todos os seres
Que conhecemos.

Louvemos os seres
Supremos, ignotos,
Que pressentimos!
A eles deve igualar-se o homem!
Que o seu exemplo nos ensine
A crer naqueles.

Pois insensível
É a Natureza:
O Sol alumia
Os maus e os bons,
E o criminoso
Vê como os melhores
Brilhar Lua e estrelas.

O vento e as torrentes
Trovão e granizo,
Desabam com estrondo
E atingem
No seu ímpeto
Um após outro.

Também a sorte anda
Às cegas entre a multidão
E escolhe, ora os cabelos
Inocentes do menino,
Ora a cabeça calva
Do culpado.

Grandes leis
Eternas, de bronze,
Regem os ciclos
Que todos temos de percorrer
Na nossa existência.
Divino
Mas só o homem
Consegue o impossível:
Pois sabe distinguir,
Escolher e julgar;
Por ele o instante
Ganha duração.

Só ele pode
Premiar os bons,
Castigar os maus,
Curar e salvar,
Unir com sentido
O que erra e se perde.

E nós veneramos
Os imortais
Como se homens fossem,
E em grande fizessem
O que em pequeno os melhores
Fazem ou desejam.

Que o homem nobre
Seja solícito e bom!
incansável, crie
O útil, o justo,
E nos seja exemplo
Daqueles seres que pressentimos! 

- Johann Wolfgang von Goethe



Elegia
E quando o homem emudece de dor
Um deus me deu dizer tudo o que sofro.

Que hei-de eu então do reencontro esperar,
Do botão deste dia inda fechado?
Paraíso e inferno, de par em par

Se abrem ao meu espírito desvairado
Não tenho dúvidas! Ao céu vai subir,
P’ra nos braços a ti te receber.

E assim no paraíso já te vejo,
No eterno e belo reino, sem merecê-lo;
Não te restou esperança, ânsia, desejo,
Era esta a meta do mais íntimo anelo,
E ante uma tal beleza nasce o espanto,
Secou a fonte de nostálgico pranto.

Que célere o bater de asas do dia!
Um a um os minutos a ceder!
À noite, o beijo - o selo que nos unia:
E assim será com o Sol que há-de nascer.
Correm as horas, iguais e indolentes,
Todas irmãs, e todas tão diferentes.

O beijo, o derradeiro, doce cruel,
Rasga a trama sublime deste amor.
O pé apressa-se, pára, foge do umbral,
Expulso pelo anjo de espada a flamejar;
Fixa o olhar o caminho, enfadado,
Volta-se, triste — o portão está fechado.

Fechado em si agora o coração.
Como se nunca aberto se tivesse
Nem, com os astros em competição,
Com ela horas de sonho desfrutasse;
E arrependimentos, cuidados, desprazer,
Como ar de chumbo sobre ele a pesar.

Mas não nos resta o mundo? -  Estes rochedos.
De sombras sacras não estão coroados?
Não sazona a colheita? E os campos verdes
Não se estendem por rios, bosques e prados?
E não se arqueia a cósmica grandeza,
Ou rica em formas, ou nua de beleza?

Grácil e leve, em claro tecido, aéreo,
Paira, seráfica, entre brumas estelares,
Como que a ela igual, no azul etéreo,
Forma esbelta, de diáfanos vapores:
Assim a viste dançando, esplendorosa,
Das formas graciosas a mais graciosa.

Mas só por uns instantes ousaras
Um fantasma reter em seu lugar;
Volta ao coração! Aí a encontrarás,
Em mil formas se oferecendo ao teu olhar;
E uma verás em muitas convertida,
Em milhares delas, cada vez mais querida.

Ficava às portas, como para receber-me,
Passo a passo me levando ao desvairo;
Depois do último beijo inda alcançar-me
Para nos lábios me pôr o derradeiro:
E fica-me essa imagem clara e viva
No coração fiel a fogo escrita.

Muralha alcandorada, o coração,
Que a guarda em si e se guarda para ela,
Que por ela se alegra com a própria duração,
Só de si sabe quando ela se revela,
Se sente livre nessa amada prisão,
E por ela bate, todo gratidão.

Se morta e apagada estava em mim
A vontade de amar, de ser amado,
Logo o desejo de nova ação senti,
De decisões, projetos esperançados!
E se é verdade que o amor inspira o amante,
Eu próprio disso sou prova eloquente;

E a ela o devo! Que angústia interior,
No corpo e n’ alma odiada opressão:
Assediado por imagens de terror,
No deserto vazio do coração:
Mas nasce a esperança no conhecido umbral,
E ela mesma aparece, um claro Sol.

À paz de Deus que neste mundo a vós
a razão consola — é o que lemos —
Comparo do amor a serena paz
Na presença do ser que mais amamos’
Repousa o coração, e nada abala
Este forte sentir de ser só dela.

Na nossa alma pura há uma saudade
De só nos darmos, em gesto livre e grato,
A uma pura, ignota, alta entidade,
Desvelando em nós o eterno Inominado;
Devoção lhe chamamos, e eu sinto
Esse êxtase quando ante ela me encontro.

O seu olhar, como a força do Sol,
O seu hálito, como a brisa de Maio,
Faz degelar, como em cripta invernal,
O egoísmo que o tempo inteiriçou;
Não há interesse, vontade, que resistam,
Quando ela chega logo eles se dissipam.

É como se dissesse: «De hora a hora
Amavelmente a vida nos é dada,
O que ontem foi, mal o temos agora.
A ciência do futuro é-nos vedada:
E sempre que à noitinha tive medo,
O pôr do Sol me encontrou vivo e ledo.

«Por isso, faz como eu e olha, sensato,
O instante de frente, sem adiar!
Enfrenta-o logo, benévolo, animado,
Quer para o prazer da ação, quer para amar:
Onde estiveres, sê tudo, infantilmente,
E serás tudo, insuperável sempre.»

Tu falas bem, pensei, e a ti te deu
Um deus por companhia o dom do instante,
E cada um num instante se sente a teu
Lado ao dom dos Fados pretendente;
Assusta-me o sinal que a num de ti
Me afasta — tanto saber para quê?

Estou longe agora! Ao minuto que passa
Que coisa convém mais? Não sei dizer;
Algo de bom me oferece, com a beleza,

Mas só me pesa, tenho de o repelir;
Move-me a ânsia indócil que há em mim
E o que me resta são lágrimas sem fim.

Brotai então, e correi sem parar,
Mas o fogo interior não esfriareis!
Um furor louco meu peito quer rasgar,
Vida e morte entram em luta feroz.
Para a dor do corpo mezinha iria achar,
Mas falta ao espírito a decisão, o querer,

E o entendimento: como passar sem ela?
E mil vezes convoca a sua imagem,
Que ora lhe é roubada, ora vacila,
Nítida agora, depois uma miragem;
Virá alguma vez consolação
Do vaivém das marés do coração?

Deixai-me aqui, meus fiéis companheiros,
Entre pântano e musgo, numa fraga;
O mundo abre-se a vós. Ide, ligeiros!
Sublime e grande é o Céu, a Terra larga;
Estudai, juntai os factos, e na procura
Balbuciai os segredos da Natura.

Perdi o Todo, de mim já me perdera,
Eu, ainda há pouco o eleito dos deuses.
À prova me puseram, veio Pandora
Cheia de bens, e inda mais de reveses:
A uma pródiga boca me prenderam,

E com a separação morte me deram.

- Johann Wolfgang von Goethe,

Para viver um grande amor...

terça-feira, 26 de agosto de 2014


É que, mesmo prepotente, sou eu e mais três conscientes,
que se aproximam do saber verdadeiro
e realmente fazem  por onde, tudo o que compreendem.

Independente do que ocorra, ou da infeliz ideia de se imaginar sabedor de outrem...
Que conhece tudo sobre aquele que também se diz saber do significado...
Como quem age com paixão.
É ter fé de não cairmos no azar, de por ventura o amado possa, se passar por nada mais que apenas mais outro equivocado.
Destes quaisquer que no final das contas,
 só pensam que sabem algo.
...
Lado da face complicada, sobre a filosofia de Viver o Grande Amado.




IAE 4

domingo, 24 de agosto de 2014

Do Acidente

Dos fermis que oscilo à estrada verdadeira,
"Força alta exige-o"

Por imagem criada,
Caio,
Decaio
Esvaio

Que não seja derradeiro fragmento na lembrança,
Finar das veias deste bicho de cangaio...

Moros!
 Não use transpassar-me à lança.

"Na intermitência da vital canseira,"
Filho dos meus problemas e do movimento sistemático
Que a sabedoria compartilhada estigme a verdade
De que nada motivou a presença do seu tal personage.

-Diotima Renard