IAE - 3

domingo, 27 de abril de 2014

Da religião

Perdoa nossos defeitos,
Segue o gozo derradeiro.
Que a amnésia do insignificante envolva-nos no que conhecemos


Dando ouvidos à realidade.
 Afago.
Peito.
 Valor do Terreno.


N'alma impurezas mantém-se,
Mudar não seria seria pleno
A cada investida tua, afogo-me em desejos ternos.

Resigno a existência em máximas pra que a verdade confesse:
Adorar arder quando vens,
Precipitas e aparece.

As mulheres diriam que sou submissa, amor...
Infeliz,
Não nego o gênero da espécie.

-Diotima Renard

IAE - 2


Prólogo

Tinha 12 anos quando o encontrei.
Um menino.
Rosto de menino,
vontades de menino.

Reconheço a metamorfose das fases, 
Então homem,
Diz concordar com minha interpretação a cerca da mitologia

Barba
Vontades
Beleza de homem,

Acompanho.
Acredito.
Idealizo sua velhice.

-Diotima Renard