“Ao amar outra alma em volta”

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Eu gosto do seu carinho
Pois me toca
Deve ser nosso pouco de roça
Violando o sentido deles.

À tanta injúria torta,
Quem sabe ao giro da roca
Do ponto místico quem toca
Tais nasais se desentorta.

E  perdoe elegante moço,
É que em estafo e alvoroço 
Eu renasço,
Prevaleço
Ao sentimento que me aporta.

Quando há tempos não dissolvia
Nas vigas que fecham a porta
Pois dessemelhantes são vias
Em dura alma tão morta.

Porém, já sem reviravolta
Amor. Oh, seu bendito venço
Transando no que convenço
Em dissonâncias dum assovio:
“Ao amar outra alma em volta”.

Cosmogônica


Alterações biológicas são um conceito de realidade cosmogônica.

Gênio incompreendido;
Não. Jamais mencionaria isso.
Minha genialidade morre a cada gafe intelectual que profiro e virei proferir
Meça às prosódias erráticas de Caetano.
Só que;
É a moral dessa ofensa que decorre ao mito
Gênio incompreendido,
Eu?
Dentre os dez mil outros cérebros gênios pensantes 
nesse exato instante
Penso quase aflito
Eu?
Não sou nada.



Mas
E o torus?
E os horizontes bacanas,
de eventos legais...
Algum outro me indica?
Na clarividência de uma mecânica tão exata
da Natureza e do virtu.
O que está subtendido?
Sem excêntrica 
Meta do vírus,
que deu em nós
Que é toro?
Qual realidade se enquadra...
Forquilha? Axis?
Uma crítica mal pensada!?


Vestidos de rotos e manchados panos
Circulando rotas de longas estradas 
Vêem-se jazer sem nunca ter qual Pessoa;
Em traçantes, por fado em bom grado 
destinos de gêmeos dados 
Consistentes caminhos planos
da solidão conformados
Ao mérito do conforto dado
quando se batem
Ressoam
Combatem
Alardem
Ao deleite do extasio
De mesmo jeito
Como que em transe 
Invadem
Confundem
Se expandem
Gênios da razão.


Mas se vírus?
Por fim
Quem seriam?
Incompreendidos gens
Labor...
Labi... An...
Labirínticando 
Saberes 
destes desconexos marginais;
De vias, 
Veias,
Viés...
Forcas do lúmen
Força da barra 
pra o estarrecer.

Seriam pais
gênios sem perdão
Seriam meus ais da incompreensão.
Ou somente, talvez os meus erros de pontuação.
(?*)